segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Noivado²

Tava aqui colocando a caixola pra pensar e cheguei à conclusão que precisava e devia escrever aqui no meu/nosso espacinho novamente... Tá bom, vai! Foi meio que a pedidos e puxões de orelha. (rsrs)
Bem, o fato é que realmente abandonei uma atividade que sempre adorei fazer descompromissadamente por motivos que são muito importantes pra mim e inexplicáveis para alguns, contudo, achei muito justo que nosso Elas tivesse uma volta digníssima.

Ah, gente, tanta coisa aconteceu nesse meio termo: crescemos, sofremos, amamos, rimos, choramos, rimos até chorar/choramos de rir, ganhamos, perdemos, regridimos pra depois evoluir, sentimos raiva, alegrias, dor de barriga de ansiedade, e principalmente nervosismo no momento que nossos amados resolveram nos escolher pra acordar todos os dias em seus lados. Pois é, o quase inacreditável é que nós duas, as duas Marcella's, noivamos no mesmo ano, fora de nossas cidades e pegas completamente de surpresa (BAPHÃO, né?!). Esses lindos que nos encantam a anos resolveram demonstrar seu amor em seus pedidos de casamento, cada um a sua maneira de formas lindas e comoventes, esses dois, um tímido até cair no chão e o outro "bruto, rústico e sistemático" nos fizeram quase desmaiar de tanta emoção, não foi Ronai?


Depois disso, uma segunda maratona começou: PRE-PA-RA-TI-VOS. Loucura, viu? 
Nem mesmo com o Manual da Noiva consegui sair do lugar pra esse babado todo que toda mulher sonha, ou quase todas sonham... Sei lá, antes do Hugo, nunca tinha me imaginado casando, me preparando como muitas que conheço, talvez porque isso não é fundamental para que sejamos felizes, embora seja bacana dividir nossa felicidade com aqueles que torcem, vibram e nos dão forças pra continuar. Nesse quesito, a Ronai está anos luz na minha frente, e a propósito, dia 14 ela subirá ao altar com seu amado Léo e os dois viverão a felicidade que merecem. 
No nosso caso, começamos às avessas: alugamos apê, compramos as coisas importantes/essenciais, colocamos nossa cara, nosso cheiro e principalmente, nosso amor. Nessa brincadeira, estamos dividindo o mesmo creme dental desde março e, acreditem, isso sim é felicidade! É felicidade cheia de realidade, com contas a pagar, dias de mal humor, TPM's, todos os copos sujos na pia e espalhados pela casa que me enlouquecem, cabelo meu no chão que também me enlouquece, quartinho da bagunça e fios espalhados por-todo-lado, ou seja, coisas que me fazem pirar e que porventura, tiram meu amado do sério. A parte boa? A gente supera tudo isso todos os dias com amor, resignação, cumplicidade e aberturas pra diálogos.
Mas eu mentiria se dissesse que HOJE não tenho mais vontade de casar de véu, grinalda e toda pompa do mundo. Eu quero sim! Quero ter um dia em que todos se voltem para trás pra se emocionar com minha entrada, que todos joguem seus desejos de felicidade com aquele que escolhi pra me fazer feliz. Eu só sou daquelas que acredita que tudo tem seu tempo e que quando acontecer, vai ser do  nosso jeitinho, com as minhas lágrimas, com minhas batidas de pé e com a impaciência dele! Como diria Senhorzinho Malta, "Tô certa ou tô errada?" haha
Mas de uma coisa eu tenho certeza: Só sei que quero ser mais feliz ainda, mais amada, mais realizada, mais tudo aquilo que tenho direito. E aos que desejam o mesmo pra gente, eu devolvo desejando essa mesma felicidade elevada à quinta potência.

Beijos, gentche, "Eu voltei agora pra ficar, porque aqui, aqui é meu lugar!" (Grande Roberto)


quinta-feira, 16 de junho de 2011

Saudade...


...Um ano se passou e só me restou uma enorme saudade Dela... Enorme mesmo, sabem? Daquelas que doem, machucam, que molham os travesseiros de noite quando todos já foram dormir, que tiram os mais dolorosos soluços do nosso íntimo. Não, eu realmente não falo Nela como deveria ser. Não falo porque sou covarde, não falo porque dói como se fossem milhões de estilhaços me atingindo, não falo porque tenho a ligeira sensação que ela está a meu lado e sendo assim, não gostaria de me ver triste... A verdade é que depois que ela se foi muita coisa passou a não ter sentido pra mim, pela simples razão dela ser meu alicerce, minha base de sustentação. Não éramos avó&neta, éramos mãe&filha, melhores amigas de infância, confidentes e acima de tudo cúmplices e como isso incomodou o brio de algumas pessoas... Foi em sem ombro que dividi muitas decepções, e deitada nesse mesmo ombro aprendi as maiores lições pra me tornar a mulher que sou hoje. Por mais esforços que eu fizesse, nunca, NUNCA mesmo conseguiria com palavras descrever a dor que sentir ao vê-la partir. Ela não foi apenas a mãe da minha mãe, minha AVÓ, ela foi em vida a própria personificação do significado do AMOR. Foi com ela que aprendi muita coisa sobre a vida, sobre as pessoas, sobre as coisas mesmo que a mesma adotasse a filosofia do "Faça o que eu digo, não faça o que eu faço!", bem peculiar da personalidade ímpar dela tentar evitar com que eu cometesse os mesmos erros que outrora ela tenha cometido e me tornar uma pessoas boa, de coração bom. [acho que ela conseguiu o resultado que queria!] Bem, moramos praticamente a vida inteira juntas. Antes dos meus pais se separarem, o pior castigo que poderia ser atribuído a mim seria não passar o fim de semana em sua casa, era muito melhor levar uma boa surra do que ficar longe dela. Ela definitivamente não foi o protótipo convencional de avó, ela não era velha, não era surda, nem ficava fazendo tricô o dia inteiro, ela não sentava em cadeira de balanço e nem tampouco tecia comentários retrógrados, muito pelo contrário, mais moderna que ela impossível, chegava até a assustar tanto avanço mental. Meus amigos bem sabem do que estou falando, igual a ela ainda terá que nascer...
Nosso amor foi e é incontestável e impagável.
Superamos juntas alegrias, tristezas, perdas, ganhos, desesperos (na maiorias das vezes, meus), frustrações, vitórias, saudades...tudo! Como poderia eu trilhar um caminho sem contar com a presença dela? Ela era a base de tudo, de tudo, de nada... Ela era o meu alicerce. Naquele dia 16/06/2010 senti silenciosamente o chão desaparecendo sob meus pés... Senti que eu estava em queda em velocidade máxima... Era ela que estava me abandonando, era ela a pessoa que mais amava e confiava no mundo inteiro que estava indo embora. Foi como se fosse um dos trágicos castigos impostos pelo meu pai, só que dessa vez era definitivo, não adiantaria tentar me regenerar pra poder ir passar os fins de semana com ela, não adiantaria, eu não poderia mais ter o prazer de viver ao seu lado. Eu acredito muito em Deus, muito mesmo, mas naquele momento era inevitável não sentir raiva da escolha que ele fez pra ela. Ele a quis em seu jardim e nos deixou sem a Flor mais perfumada e colorida, nós rélis mortais que somos. ELE fez com que ela descumprisse nosso trato, afinal de contas, tínhamos a vida traçada. Tava tudo combinado: eu me formaria, nós viajaríamos pra um lugar bem chique como nós duas, quando eu casasse ela moraria comigo e seria caduca pelo meus filhos...E me parecia tudo culpa Dele! Quando a sanidade tomou conta de mim, eu tirei tudo isso da minha cabeça e lembrei novamente de sua importância e de sua sabedoria, mas quem nunca questionou pelo mísero espaço de tempo suas decisões, que atire a primeira pedra!. Lamento àqueles que não tiveram a oportunidade de conviver com ela como eu, lamento não terem convivido com a pessoa maravilhosa que ela foi. Lamento que só saibam disso através de palavras.




Eu posso me honrar disso, posso me honrar de ter crescido em seu seio. Há um ano atrás perdi não só minha avó, mas minha mãe, meu pai, minha amiga, minha confidente, minha cúmplice, perdi todos os meus parentes em uma só pessoa, que mesmo pequenininha e rechonchuda tinha o maior de todos os corações, a melhor das almas e o sorriso mais acolhedor. Nem sei como consegui escrever aqui depois de tanto tempo, me senti esse tempo todo bloqueada, incapaz e fraca, me desculpem possíveis erros, me desculpem também o desabafo, eu só precisava fazer humildemente uma homenagem à ela, embora todos os dias nós conversemos em meu íntimo, naquele travesseiro que fica enxarcado de lágrimas e entre aqueles soluços dolorosos que citei inicialmente. Agradeço à todos pelo conforto que me foi dado mesmo em silêncio, são nessas horas que buscamos forças em todos os lugares, suporte em todas as pessoas e conforto em todas as palavras.


E você, , não se preocupe, a noite estarei a postos pra dormimos juntinhas...



Dona Cila




De todo o amor que eu tenho
Metade foi tu que me deu
Salvando minha alma da vida
Sorrindo e fazendo o meu eu

Se queres partir, ir embora
Me olha da onde estiver
Que eu vou te mostrar que eu to pronta
Me colha madura do pé

Salve, salve essa nega
Que axé ela tem
Te carrego no colo e te dou minha mão
Minha vida depende só do teu encanto
Cila pode ir tranquila
Teu rebanho tá pronto

Teu olho que brilha e não para
Tuas mãos de fazer tudo e até
A vida que chamo de minha
Neguinha, te encontro na fé

Me mostre um caminho agora
Um jeito de estar sem você
O apego não quer ir embora
Diaxo, ele tem que querer

Ó meu pai do céu, limpe tudo aí
Vai chegar a rainha
Precisando dormir
Quando ela chegar
Tu me faça um favor
Dê um manto a ela, que ela me benze aonde eu for

O fardo pesado que levas
Desagua na força que tens
Teu lar é no reino divino
Limpinho cheirando a alecrim

Maria Gadú

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Gente grande!

Olá a todos!
Sei que raramente posto e.. ultimamente o blog tem estado entregue às traças meeesmo (não vamoX negarrr)... Mas, de repente, achei um bom, na verdade, um grande motivo para postar!
No dia 1º de outubro, ou seja, sexta-feira, eu e mais alguns desembarcaremos em PI exclusivamente para ver, prestigiar, matar saudade e, não menos significante, chorar (kkkkkkk com emoção, hein, mama?) esta, desta e com esta pessoinha que mal tem dormido de ansiedade!
Mama, esse é um momento muito importante na sua vida.. Claro, não poderíamos deixar de estar aí.. e você não ousaria passar por isso sem nossa companhia! auhauhau Audááácia! =p

Enfim.. o objetivo do post é esse:
video

nenhuma produção hollywoodiana, mas..
Muito sucesso e muita felicidade, minha amiga!!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia do Amigo

Em dias simbólicos como os de hoje, fico a me perguntar: seria realmente necessário ter o Dia do Amigo? A conclusão é que sim, é necessário. Amigos fazem parte das nossas vidas em tudo. São nossos companheiros, cúmplices, confidentes. São à eles que confiamos nossas maiores jóias raras, que contamos os nossos mais secretos pensamentos, que anunciamos cada passo de nossas vidas. Amigos, assim, como pai, mãe, avó e todas as datas presentes no nosso calendário, são essenciais para nossa tão almejada felicidade.
Eu, graças a Deus, tenho incontáveis amigos. Amigos mesmo, daqueles pra pau/pedra/pancadaria (bem, deixemos a pancadaria de lado - rs). Sou abençoada por Deus por assim ser. Há exatos quatro anos atrás, deixei para trás (no sentindo geográfico), grandes amigos. A dor da saudade provocada por eles foi imensa. Era como se um pedaço de mim tivesse ficado com cada um deles me fazendo sempre ser incompleta. Mas hoje, passados esses anos, eu percebo que devo me considerar sortuda. Na peneira da vida, vários foram aprovados. Nem mesmo o tempo, nem a distância, nem as rotinas conturbadas nos fizeram afastar um milímetro que fosse. Isso sim é uma dádiva. Eu sou feliz por tê-los em minha vida. Eu sou abençoada por assim ser. Em contrapartida, fiz mais por onde andei. Me decepcionei, quebrei a cara, mas os que restaram fizeram valer a pena continuar acreditando que poderia dar certo.
Ao longo de nossas vidas, passamos por vários tipos de amizades, né? Isso é tão engraçado.
Quando éramos crianças, tudo parecia ser mais simples, afinal de contas, não tínhamos segredos o suficiente, nossos mais enlouquecedores problemas eram as notas escolares e nossas brigas se resolviam com um piscar de olhos. Temíamos crescer, eu acho, ou não, queríamos crescer rapidamente pra poder fazer tudo aquilo que os adultos faziam. Se bem soubessemos como tudo era melhor naquela época, teríamos evitado entrar na máquina do tempo e talvez aquelas simples e duradouras amizades ainda existiriam. Bateu uma nostalgia!


Depois ficamos adolescentes. Começam a fazer parte de toda e qualquer amizade a confidência. É nesse época que começamos a olhar pros garotos(as), que nossos corações parecem acelerar quando passa aquele gatinho(a) em nossa frente, que confessamos isso à alguém que, provavelmente, é nosso amigo. Nossa, como podemos ser ridículos nessa fase. (haha) Surge um parâmetro entre os amigos: quem melhor ouve e guarda segredos, melhor. Nem sempre isso acontecia e poderia gerar um grande problema abalando, assim a amizade. Bem imaturo, né? Atire a primeira pedra quem não se viu nessa situação.


Ae surge a maturidade. A fase em que erros podem ter consequências bem maiores que nas anteriores. E quanto mais velhos(as) ficamos, mais responsabilidades temos com nossos amigos. Um conselho errado pode ser mortal, uma confidência que vaze, uma catástrofe, um passo mal dado, o fim. Cabe à nós, administrar tudo isso, cabe à nós, aprender a perdoar quando necessário, cabe a nós avaliar o quão importantes são aquelas pessoas para nós.
Eu costumo dizer que, amigos são como irmãos. Amigos bem escolhidos são uma dádiva. Irmãos são enviados por Deus pela sua vontade, amigos são escolhas que nós fazemos com o livre-arbítrio dado por Ele.
Por isso eu digo aos meus: somos resultados de uma relação mútua, de um amor incondicional, de uma dedicação total. Eu, todos os dias, agradeço à Deus por vocês em minha vida. Sem vocês, me faltaria forças, coragem, confiança, positividade, esperanças... Sem vocês, sem dúvida, eu seria um quebra-cabeças incompleto.
Meus irmãos escolhidos, eu amo cada um de vocês!


Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

Albert Einstein

Por Marcella Pires

domingo, 23 de maio de 2010

A corrida pelo HEXA!

Bem, vamos às contas... Não posto lá com muita frequência e, convenhamos, há teeempos não posto! Depois deste breve balanço, resolvi saldar minha dívida com algo que tem me dado grande prazer, apesar de ainda não estar tão boa nisso(risos)... As fotos datam do dia 15 de maio, em Guaramiranga.
A corrida, que tinha como tema 'A corrida pelo Hexa', possuía duas modalidades: 5km e 10km e foi agradabilíssima! Contou com a presença de muitos participantes, corredores e atletas, dentre eles, euzinha e, meu fiel escudeiro, pai! ^^
Bom, não chegamos a ficar lá entre os primeiros.... mas..

Este dom, descoberto recentemente (kkkkkkkk), tem nos induzido à grandes empreitadas, inclusive esta. Brincadeiras à parte, a conciliação dos tênis ao computador tem sido, sem dúvida, uma terapia. Nada de vida sedentária ou mais ou menos.. Estou satisfeita com minha 'vida fitness', como diria minha irmã, e recomendo! Abraço a todos.

Auto Featured Slideshow SpicyTricks.com